domingo, 11 de maio de 2008

Ultimo dia

Amanheceu um dia lindo, tomamos aquele café quentinho que só as mães sabem fazer, falamos bobagens, cuidamos da horta, almoçamos... enquanto eu fui pintar flores no oratório que dava boas vindas na porta do sítio, ela regava as plantas contando histórias e cantarolando alguma coisa.
Enquanto molhava as árvores, percebemos alguns canários que vinham se resfrescar nas gotas que se espalhavam pelas folhas.
Juntamos a mangueira de água, um esguicho de jardim, algumas cordas e amarramos tudo em um galho bem escolhido, rindo da engenhoca que estávamos fazendo. Ligamos, e logo aquela árvore se tornou um birdwash onde todos os canários da região resolveram aparecer, seguidos por biquinhos de lacre e sebinhos...
Passsamos o resto da tarde assim olhando aquela farra aquática.
Ela se virou e disse: _Seria capaz de passar o resto da minha vida assim.
Fui embora no dia seguinte pela manhã.
Essa é minha ultima lembrança dela sorrindo.
A minha última lembrança dela em vida.

3 comentários:

Isa disse...

Uma lembrança maravilhosa!
É exatamente assim que deve ser, lembrarmos com carinho de alguém que amamos incrivelmente.
Esse dia deve ter sido muito divertido, quase dá pra sentir o calor gostoso que estava fazendo na hora :D

Beijos!!

Nina disse...

Porra, chorei largada!
Que lindo, amiga. Amei.
Bjssss fófis, saudades!

Léo disse...

Se eu, que sou um completo desconhecido, me emocionei muito com seu texto, imagina quem te conhece.

Excelente texto e uma história linda contada de um jeito ainda mais encantador, sutil e singelo.

Parabéns pelo texto e pela lembrança maravilhosa.

Beijos,
Léo